Cerâmica X Argamassa e Concreto



Porque a Cerâmica ?
Então Não Precisa mais de Argamassa ?



       Tijolos de Cerâmica, são como Pedras, vitrificam e atingem alta resistência, em Terremotos a Argamassa que une os Tijolos Comuns começa a quebrar então a Cola de Adesão Entre os Tijolos Falha e as Paredes Caem, estruturas de Concreto não são as mais seguras para resistirem as agressões constantes e muitas vezes imperceptíveis quais vão acumulando estresse material para Colapsos Estruturais, Tijolos de Cerâmica são a prova de fogo, suportam mais de 2.000 Graus Celsius, nem a Argamassa nem o Concreto resistem muito bem ao fogo e menos ainda para a acidez de elementos químicos, por isso o interior das Chaminés de Indústrias Químicas é realizada com Tijolos de Cerâmica quais podem suportar agressões químicas extremas, utiliza-se hoje uma Argamassa a prova de ácidos que utiliza base de potássio e sílica para resistir a ácido sulfúrico e gases de combustão.

       Além do Concreto resistir a apenas 750 Graus Celsius (descrição em observação ao final deste documento sobre o Trabalho “A ação do fogo sobre os componentes do concreto”, de Gilson Morales, Alessandro Campos e Adriana M. Patriota Faganello), a Cerâmica tem valor de mérito para trabalhar com elementos de protensão ou mesmo sustentação estrutural sem a dependência do Concreto, em favor da qualidade possível.

       Metal e Cerâmica são Materiais muito mais Resistentes, podem ser preservados por dezenas de milênios conforme a qualidade de Matéria-prima e Sistemas Produtivos adequados. O Plástico e a Borracha são menos resistentes ainda do que o Concreto (Cimento composto), o que nos propõe maior elaboração para qualidade permanente do que reciclagem (utilização de maior energia para fazer e re-fazer algo reciclável do que algo mais durável e permanente), considera-se abertura de opção e nitidez para escolha de materiais, referenciando objetivos e características diversas de alternativas para produtos considerando um Planeta plástico colorido e belo ou Mais Rico.
 

Imagem de vídeo “National Geographic Documentary: MegaStructures - Science of Brick”,
apresentando a fadiga material da argamassa em paredes, desmontagem de parede de tijolos...
( Link para Vídeo no YouTube em Inglês na Imagem )




Imagem de Chaminé em Indústria Química “NatGeoTV: The Oldest Building Material Manufactured By Men”,
Cerâmica resistente à ácidos e gases de combustâo, ao contrário do Concreto....
( Link para Vídeo no YouTube em Inglês na Imagem )




Imagem de falha estrutural em Concreto, Viaduto...




Imagem de falha estrutural em Concreto, Edifício...


       Os Novos Blocos de Encaixe, quais podem mesclar Materiais mais Resistentes e Maleáveis, através de Blocos de Metal para Estrutura (possível em diversos modos de entrelaçamento estrutural), elimina o problema da pouca resistência de Paredes de Tijolos Convencionais e traz oportunidade de eliminação da argamassa e do concreto, materiais quais tem sido largamente utilizados desde o Início do Século mas que apesar de terem preço baixo são muito pesados, sensíveis, deterioráveis e oferecem muitas desvantagens considerando alta complexidade e possíveis imperfeições estéticas e dimensionais, dificuldade de acabamento preciso, muito tempo para construção e grande preço de mão de obra para construção.

       O Aço Patinável, aço qual cria uma película de oxidação em sua superfície qual se torna uma película protetora de modo a não continuar a corrosão no material, é um material muito inteligente, os Metais equilibram alto desempenho e grande durabilidade, gera economia através de baixo peso por peças nervuradas. Muito melhor do que qualquer resina qual se torne quebradiça com o tempo é a estabilidade para maleabilidade de ponto de escoamento das Ligas Metálicas. o Alumínio é parente próximo da Cerâmica e do Vidro, pesquisas para descoberta de novos materiais é muito importante, o que já temos hoje é muito importante para o estabelecimento de uma cultura de qualidade, nos traz reconhecimento da: CERÂMICA; em “Forma” de utilidade das máximas resistências possíveis, semelhante a Lego (modulável), melhor que a Lego (alto desempenho estrutural além da adesão decorativa).

       Desde 10.000 anos os Tijolos de Cerâmica existem, comprovam sua resistência material histórica, a Cerâmica é parente próxima do Alumínio, poderá evoluir em diferentes ligas para diferentes Sistemas Produtivos, os Tijolos Comuns são realizados pelo sistema de Extrusão de Cerâmica, os Novos Blocos de Encaixe preferencialmente precisam ser Prensados, Processo Produtivo semelhante e adaptável para a fabricação de Telhas.

       Peças artesanais de Cerâmica podem ser um produto além da Maquete e do Brinquedo, existem muitos Sistemas Produtivos práticos, simples e econômicos de realizar peças de escalas menores do que a escala de construção. Ampla utilização, placas continuas de Cerâmica com grande gama de diferentes peças para realização de criações livres por exemplo, são vários sistemas de fixação possíveis, incluindo a possibilidade de clipes metálicos para fixação por dentro das peças, como um O-ring (aparência externa perfeita e encaixe interno como um gatilho).

       Através do alívio de tensões na Forma Geométrica dos Novos Blocos de Encaixe podem se estender ao extremo, podemos prever tolerâncias de encaixe adequadas para firmeza das montagens, encaixe e fixação, considerando a dilatação adequada dos materiais utilizados e materiais de união com estruturação rígida ou com maleabilidade conforme Cálculos Estruturais e necessidades específicas, incluindo opções para diferentes materiais constituindo a montagem de paredes estruturais, pisos, pilares, elevação de níveis, vigas, etc.


Arredondamento de faces para maior resistência, divisão equilibrada de linhas ortogonais
Faces Diagonais Facetadas / alívio de raio total e alívio de raio funcional (ALÍVIO DE TENSÕES)




Arredondamento de faces para maior resistência, divisão equilibrada de linhas ortogonais
Faces em Limite de Tangente / alívio de raio total e alívio de raio funcional (ALÍVIO DE TENSÕES)


São Possíveis Placas Sólidas de Peças de Cerâmica Montadas por Clipe Metálico Interno desde a menor escala...

Ligação Costurada, Entrelaçada como Viga IDEAL, na Horizontal ou na Vertical...

APENAS CERÂMICA E CLIPES INTERNOS DE METAL DIMENSIONAM UMA TECNOLOGIA SIMPLES E DE EXTREMA DURABILIDADE E RESISTÊNCIA PARA ESFORÇOS DINÂMICOS...

       É uma Tecnologia para evoluir muito em detalhes com o tempo, hoje temos o início do Projeto dos Novos Blocos de Encaixe pronto para realização de Produtos, para serem iniciados conforme escolha. Projeto Pronto para eliminar alto custo de mão de obra desnecessária e ineficiente, pronto para eliminar o Concreto, o Reboco, e principalmente a Argamassa.

É ALTURA INTEIRA DE ENCAIXE, LITERALMENTE UMA PEÇA DENTRO DA OUTRA, É PODER DE RESISTÊNCIA TOTAL.

PODER TOTAL DA CERÂMICA / SEM A COLA DE CIMENTO QUEBRADIÇO E DESMANCHÁVEL POR LIMITE DE BAIXAS TEMPERATURAS DE AQUECIMENTO, EM DESGASTE ACUMULADO DE TEMPO CURTO PARA FÁCIL FADIGA DO MATERIAL (CONSIDERANDO ENORME GASTO PARA MANUTENÇÃO, ELIMINAÇÃO DE FISSURAS, PARA EDIFÍCIOS E CONSTRUÇÕES EM GERAL COM MAIS DE DEZ ANOS).
 

Vigas e Nervuras


Mesclagem Estrutural de Materiais em Montagem

OBS.: A FALTA DE RESISTÊNCIA E FADIGA DO CONCRETO AO FOGO E ÀS INTEMPÉRIES CONSTANTES


Parte do Trabalho “A ação do fogo sobre os componentes do concreto”, de Gilson Morales, Alessandro Campos e Adriana M. Patriota Faganello:


Efeito da temperatura nas propriedades físicas do concreto

       São vários os efeitos decorrentes da elevação de temperatura sobre o concreto. Rosso (ROSSO, T. Incêndios e arquitetura. Apostila. São Paulo: FAUUSP, 1975), apresenta o seguinte esquema deste comportamento:

       100 – 500ºC – Lascamento, “explosive spalling”, início do processo de desidratação do gel de C-S-H, que se intensifica em 300ºC e prossegue até próximo de 400ºC;

       200°C – idem e retração por perda de água da tobermorita e dilatação dos agregados;

       300 – 400ºC – Redução da águan do gel com a formação de silicatos anidros ocorrendo fissuras superficiais;

       400 – 500ºC – Idem e retração acentuada por desidratação do hidróxido de cálcio;

       500 – 600ºC – Desidratação mais rápida do hidróxido de cálcio;

       575ºC – Expansão do quartzo na transformação de alfa para beta, com fissuração da matriz cimentícia;

       600ºC e 700°C – Transformações de outros agregados; O CaCO3 começa a se transformar em Cão e a liberar CO2.

       800ºC – Retração por perda de água combinada da tobermorita;

       870ºC – Expansão do quartzo na transformação de beta em tridimita.

       Segundo Rosso (1975), a partir da temperatura básica teórica de 300ºC, começam a ocorrer prejuízos consideráveis na resistência mecânica de um componente de concreto.

       A partir de aproximadamente 500°C, as dilatações ocorridas no concreto de agregados silicosos e no aço são muito semelhantes, sendo que, a partir de 300°C a cor do concreto começa a sofrer alteração de tonalidade. Até atingir a casa dos 600ºC a tonalidade varia de tons róseos a vermelho pálido, devido à alteração dos compostos de ferro. Acima de 600ºC a tonalidade varia de cinza claro a amarelo claro.


Conclusões

       Os concretos submetidos à temperaturas elevadas, superiores a 300ºC, perdem consideravelmente sua resistência mecânica à compressão, porém até 300ºC, a perda de resistência é mínima, em torno de 5%, aumentando conforme se eleva a temperatura. Os corpos de prova de argamassas de cimento e areia submetidos a 300ºC com resfriamento lento, perderam em torno de 5% de sua resistência, enquanto que, com o resfriamento rápido, perderam entre 28 a 30% de sua resistência. As amostras submetidas a 750ºC perderam totalmente a resistência mecânica.

       A redução do módulo de elasticidade nas amostras submetidas a 300ºC, com resfriamento lento, foi da ordem de 46%, enquanto que nas submetidas a 450ºC, foi de cerca de 73%.

       O efeito da elevação da temperatura sobre o concreto e as argamassas de cimento é pequeno e de certa forma irregular até os 250ºC. Este efeito se torna bastante acentuado e compromete a integridade da estrutura quando a temperatura ultrapassa os 300ºC, principalmente nos casos em que esta elevação é seguida do resfriamento rápido.



Link para o Trabalho Completo: http://www.uel.br/revistas/uel/index.php/semexatas/article/viewFile/4057/8315